Di Ferrero, do NX Zero, e Lucas Silveira, da Fresno, comentam a perda de Chorão


notícias

Site elege os piores nomes de discos do mundo
08 de August de 2013 - 17:24:53
Selena Gomez lança o clipe de “Slow Down”
19 de July de 2013 - 11:39:38
Damon Albarn anuncia o supergrupo Fresh Touch
18 de July de 2013 - 15:26:16
Monsters Of Rock confirma Slipknot e Aerosmith
18 de June de 2013 - 12:08:30
Dia dos Namorados: músicas para se declarar
12 de June de 2013 - 16:28:25

.
conecte-se
  • Twitter
  • Facebook
  • Feed RSS
por: Redação | 06 de March de 2013 - 16:55:38



Imagem: Divulgação

Di Ferrero e Lucas Silveira também enviaram à imprensa manifestações sobre o falecimento de Chorão nesta quarta-feira (6). O líder do NXZero enfatizou uma amizade inesperada com o vocalista e relatou a alegria de ter gravado com ele o remix de “Cedo Ou Tarde”. Já Lucas reiterou a influência do compositor para a sua geração de jovens e músicos. Confira:

"O Chorão foi um cara que, no começo da nossa banda, me influenciou muito, e tem influência até hoje. Mais tarde, o conheci pessoalmente e viramos amigos. Ele conheceu meus pais e ficamos próximos. Era um cara autêntico, original, que falava o que pensava. Mas era extremamente amigo”, disse Di. “Fico feliz de ter tido a oportunidade de gravar uma música com ele, o remix de ‘Cedo Ou Tarde’. Todas as vezes que cantamos juntos foi muito bom, participei de vários shows do Charlie Brown Jr.. Ele era um cara que roubava a cena, no bom sentido, quando chegava nos lugares, era muito humano. Estou verdadeiramente triste."

“A gente começou uma banda quando as únicas histórias de sucesso no rock eram Charlie Brown Jr. e Raimundos. Fomos completamente influenciados por essa segunda onda de bandas de rock, dos anos 90, quando éramos adolescentes”, disse Lucas Silveira. “No primeiro show da Fresno tinha covers deles. A gente curtia muito mesmo. Acabei conhecendo o Chorão só um tempo depois e ele sempre foi um cara muito gente boa com a gente. O filho dele é fã da Fresno e conhece a gente há um tempo. Estou muito triste. Ele foi uma das poucas pessoas que não tinha medo de falar o pensava. Não devia nada a ninguém. Foi um baita poeta. Um cara muito lúcido, apesar de ser maluco.”